Como funciona um CDN?

Olá, Kangaroozinho! Alguma vez, você já ouviu falar sobre CDN? Se sim, será que você sabe mesmo como esse recurso tão especial funciona e de que forma ele pode ajudar o seu site das mais variadas formas?

Se você ficou curioso sobre isso e quer saber mais sobre como funcionam CDNs, fique conosco até o final do artigo e confira todo o básico que todos devem saber sobre o assunto. Vamos lá!

Sumário

  1. O que é?
  2. Quais os principais recursos?
  3. Quando usar?
  4. Conclusão

O que é um CDN?

Kangaroo pensando o que é CDN
Imagem gerada por IA

O CDN, em abreviação do inglês Content Delivery Network consiste, basicamente, em uma grande rede de distribuição de conteúdo (o que é realmente a tradução literal). Essas redes são formadas por datacenters espelhados por todo o mundo, que acessam o conteúdo do site e o armazenam, permitindo que os usuários acessem sempre a cópia daquele conteúdo que estiver mais próxima do local de onde ela acessou.

O conceito é um pouco abstrato, e pode ser muita informação para absorver de uma vez só. Por isso, vamos exemplificar para facilitar o entendimento.

Pense em um site de notícias muito grande, que tem acessos vindos de visitantes de todo o planeta. Se o site estiver em um servidor localizado no Brasil, usuários na China teriam uma latência muito alta, o que poderia atrapalhar muito o tempo de carregamento das páginas, o que não é nada bom.

Para ajudar nisso, entra o CDN: o serviço irá catalogar e acessar o seu conteúdo, e então fará uma cópia dele em cada um de seus servidores espalhados pelo mundo. Assim, quando um usuário da China acessa o site, ele será levado direto ao conteúdo disponível a partir do servidor localizado na China, o que permite uma baixa latência e impede que o carregamento seja atrasado por isso.

Principais recursos

Plataformas de distribuição de conteúdo normalmente funcionam também como um Proxy, ou seja, a conexão dos visitantes recebe um intermediário: que é o próprio CDN. Assim, ao acessar o site, o visitante na verdade está se conectando com a rede de distribuição, que então coleta as informações do servidor e provê ao visitante.

Com o proxy, é possível oferecer diversos outros recursos, desde questões relacionadas a otimização até mesmo a itens de segurança.

Como existem muitas plataformas de CDN, é um tanto difícil elencar exatamente quais são todos os recursos. Por isso, vamos considerar os recursos do CloudFlare, que é de longe o mais utilizado pelos sites, e tem um plano gratuito com uma ótima lista de recursos, como esses que mostraremos abaixo:

  • WAF: o proxy oferecido pode ajudar em diversos aspectos de proteção, criando um Firewall remoto que permite a configuração completa de diversos tipos de regras de Firewall, desde bloqueios/liberações a regras mais complexas de controle de acesso;
  • Otimização: para ajudar no tempo de carregamento das páginas, são oferecidos recursos de Cache, Minificação de recursos (como HTML, CSS, JS) e várias outras técnicas de compressão e otimização do carregamento de recursos;
  • Métricas: como o Proxy serve como uma ponte intermediária entre o visitante e o servidor, ele também se torna capaz de exibir métricas detalhadas de onde esses acesso vêm, o que estão acessando, e muito mais! Assim, é possível ter algo parecido com uma “versão resumida” de ferramentas como o Google Analytics;
  • Anti DDoS: outro recurso muito importante é a filtragem de acessos, o que permite entender e bloquear tentativas de ataque DDoS. Ao impedir que o ataque aconteça, é possível evitar a instabilidade do sistema.

Quando usar?

De maneira geral, não há uma recomendação específica de cenário para usar um serviço CDN, e por isso é importante conferir as funcionalidades oferecidas pela plataforma que você deseja utilizar e comparar com os recursos que seu projeto precisa no momento.

Um CDN como o CloudFlare pode ser útil para a maioria dos sites por conta dos recursos que oferece, mas alguns deles precisam ser configurados manualmente, ou requerem conhecimentos mais específicos, como as questões relacionadas a segurança. Por isso, se você não pretende configurar esses recursos para usar ativamente, não faria sentido usar uma CDN por esse pretexto.

Porém, se você precisa de camadas extras de segurança e desempenho que você possa customizar por conta própria, utilizar essa ferramenta se torna uma opção muito mais interessante.

Conclusão

Esperamos que com este breve guia você tenha conseguido entender um pouco mais sobre o funcionamento das plataformas de CDN e dos impactos positivos que elas podem trazer para seu site.

Agora, cabe analisar as necessidades de seu site e comparar com os recursos oferecidos pelo CDN de seu interesse, para entender melhor como ele pode te ajudar a atingir os objetivos de seu projeto.

Se gostou desse conteúdo, continue acompanhando nosso blog para mais artigos como esse, e te esperamos na próxima!

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Voltar
Whatsapp
0800 481 7000